GALILEO E BH


Olhem só essa joia que eu encontrei por 10 pratas no balcão de saldos da Livraria do Ouvidor, na Savassi. Editado em 1967, pela Burndy Library, especializada em história da ciência e da tecnologia, “A letter from Galileo Galilei” é uma brochura linda, 60 páginas, impressa em formato “clássico chic”, em papel tipo soft. Conta a história da resposta de Galileo a um astrônomo francês chamado Peiresc, que anteriormente havia enviado a Galileo informações acerca de um jesuíta alemão, Father Linus, que explorava mecanismos para medir o tempo, entre eles um relógio d’água. O livro traz uma biografia do Galileo, um fac-simile de sua resposta, escrita em uma caligrafia maravilhosa, desenhos de objetos que a gente não consegue imaginar para que servem. É uma edição muito bem cuidada e muito bonita.

Ao folhear e ler algumas páginas dessa história, fiquei pensado como deveria ser estimulante – e fundamental – para os homens da ciência e da filosofia daquele tempo trocar cartas com seus pares por toda a Europa. Quando uma pessoa encontrava uma mente parecida, com interesses e preocupações similares, devia ser um acontecimento mesmo. Pois naquela época o percentual da população que sabia ler era ínfimo e devia ser menor ainda a quantidade de gente que sabia “ler” os movimentos das estrelas e compreender os segredos da matemática.

Além disso, naqueles tempos, as cartas demoravam semanas ou meses para alcançar seus destinos. Imaginem a expectativa pelas respostas, devia ser angustiante. Aquelas informações preciosas alimentavam o espírito, estimulavam a continuidade da pesquisa, davam espaço para o diálogo criativo, para o conhecimento compartilhado. Tudo isso envolvo em uma atmosfera de perigo, porque a Igreja combatia aqueles primeiros estudiosos que se recusavam a ver o mundo de forma diferente daquela pregada pelos escritos sagrados (na época da carta a Peiresc, Galileo estava sob perseguição da igreja).

E pensando nisso tudo, pensei em Belo Horizonte. BH é um dos mais dinâmicos polos de desenvolvimento digital do Brasil, isso é, aqui trabalha-se o coração da tecnologia on-line. Uma universidade que é referência na área, casas de software, desenvolvedores, fabricantes seriais de startups, aceleradoras, empresas de marketing digital, operadoras de marketplaces, you name it, you got it, incluindo os escritórios brasileiros da Google e Oracle. E nesse ambiente, conexões e informação valem ouro, como valiam para Galileo. Há diferenças entre as situações, especialmente em termos de velocidade (as cartas do físico, matemático e astrônomo italiano seguiam no ritmo do lombo de mula, enquanto hoje temos a “velocidade da luz” das trocas eletrônicas), na concentração de mentes afins (sim, a ciência se popularizou e tem muito mais gente ligada ao “assunto”) e no fato de que há liberdade de pensamento. Mas uma coisa liga Galileo aos cientistas digitais de BH: a necessidade de informação de qualidade. E o ambiente digital de BH propicia essa troca de informação.

Influencia, até, o trabalho que fazemos na PIQUINI. Alguns de nossos clientes são dessa área, e vivemos nesse meio de forma intensa. Eles têm uma energia e uma dinâmica diferentes, que eletrizam o nosso trabalho. Uma fabricante de softwares que acaba de lançar uma plataforma de integração omnichannel (tem gente que não sabe o que é isso, mesmo usando todo dia para fazer compras on-line), outra que já criou e vendeu diversas startups (acaba de vender mais uma), outra que desenvolve softwares sofisticados sob encomenda, outra que produz sistemas de gestão para a agropecuária... Por aí vai.

Já fizemos de tudo: branding, reposicionamento, marketing de produto, assessoria de imprensa, marketing digital, conteúdo e gestão de redes sociais, eventos. Para um deles, inclusive, criamos um boletim de informações que virou referência no setor de atuação do cliente. É um privilégio estar nesse meio, onde inovar é preciso e onde informação certa, na hora, certa vale ouro. Galileo que o diga.


Posts Recentes
Arquivo

© 2016 Todos os direitos reservados. Criado por Agência Zíper.