STIAMO ENSIEME (TAMO JUNTO)


Quando voltei da Inglaterra para o Brasil, em 1992, eu tinha uma certeza: acabaria trabalhando na indústria automobilística. A razão era simples: como jornalista, eu testemunhara, sob o governo Thatcher, os desdobramentos da globalização dessa indústria. Percebi, na época, que com a abertura promovida pelo governo Collor, seguiríamos o mesmo caminho no Brasil. Haveria muitas mudanças, algumas boas e outras que balançariam a roseira do setor. Transformações que não eram visíveis ou evidentes para muitos jornalistas que trabalhavam no Brasil – e não por culpa deles. Uma lição que aprendi, ao morar anos no exterior, é que ao observar o Brasil de fora, nossa perspectiva e nosso entendimento são outros. Aprendemos a olhar a floresta e não apenas as árvores.

Antecipei que minha “visão” e minha experiência acumulada abririam portas importantes. Não deu outra: pouco mais de dois anos depois de assentar com a família em São Paulo, fui convidado para trabalhar na Fiat. O convite veio do então superintendente, Pacífico Paoli, e do Nivaldo Nottoli, na época diretor de Comunicação da empresa. Numa segunda etapa, o responsável foi o José Eduardo De Lima Pereira Eduardo De Lima Pereira. Para mim, a Fiat foi um novo mundo, no qual permaneceria por quase 20 anos. Entrei no grupo de trabalho do Projeto Palio. Na primeira reunião da qual participei, no famoso Galpão 9, na fábrica em Betim, estava nervoso, ansioso e inseguro. Mas não deu cinco minutos e relaxei: um italiano lá (não sei quem era, não lembro) deu um soco na mesa e soltou um palavrão igualzinho ao que meu avô costumava exclamar em momentos de desespero, quando alguém fazia alguma coisa errada ou quando não entendia o que se passa à sua volta. O italiano não se dirigia a mim, mas o efeito do palavrão sobre minhas emoções foi reconfortante: me senti imediatamente em casa. Identidade é isso.

Essa lembrança me veio à cabeça ao ver esse filme institucional da Fiat, uma mensagem dos italianos aos brasileiros neste momento conturbado do coronavírus. É uma mensagem simples, como as coisas mais bonitas costumam ser. “Calma, vai dar certo, estamos aí do seu lado, somos parecidos e torcemos por vocês!”

Tem uma grande sinceridade aí. Brasileiros e italianos são mesmo muito próximos. Na Fiat, nós, os brasileiros, sussurrávamos um ditado secreto: “Italiano chega aqui chorando e vai embora chorando”. Tradução: eles chegavam aqui e achavam tudo uma bagunça, uma zona; mas seis meses depois, quando se estabilizavam, achavam tudo uma maravilha, porque encontravam um lugar que é espiritualmente e culturalmente muito parecido com o deles. Claro, sempre tem uns caras diferentes, mas essa foi a realidade que encontrei na Fiat. Adoravam a coisa toda e se entregavam ao Brasil.

Essa realidade que encontrei na Fiat permanece presente, como diz o vídeo, que me fez lembrar tanta coisa. Me fez pensar em quanto sofremos juntos com os italianos quando eles mostraram ao mundo a tragédia que o coronavírus significa (aquela imagem dos caminhões Iveco levando corpos de pessoas mortas para a cremação ficará para sempre marcada em minha memória).

Receber essa mensagem da Fiat é simpática, reconfortante. Otimista. Nos dá esperanças. Nos faz olhar para frente. Tem uma hora lá em que o narrador diz, com leve sotaque italiano: “Logo, logo, vão poder sair com os seus Fiat por aí”. Com certeza. Não vejo a hora.

Stiamo ensieme. “Tamo junto!”

Se ainda não viu o vídeo, clica no link: https://www.youtube.com/watch?v=OzuwZZwKS8w


Posts Recentes
Arquivo

© 2016 Todos os direitos reservados. Criado por Agência Zíper.